Telessaúde como estratégia para informar e cuidar:

relato de uma experiência no hospital universitário professor Edgard Santos, UFBA

Autores

  • Maria de Fátima de Araújo Geraldes Universidade Federal da Bahia - UFBA http://orcid.org/0000-0002-3626-6754
  • Márcia Tie Harada Universidade Federal da Bahia - UFBA
  • Priscila Leão Guimarães Universidade Federal da Bahia - UFBA
  • Suzy Santana Cavalcante Universidade Federal da Bahia - UFBA

Palavras-chave:

Telemedicina, Telessaúde, Anticoagulantes, COVID-19, Informação e saúde

Resumo

O ambulatório de anticoagulação, do Complexo Universitário Professor Edgard Santos, assiste a pacientes com patologias cardiovasculares crônicas em uso de anticoagulante oral. Com o surgimento da pandemia por COVID-19, em março de 2020, manter o atendimento presencial destes pacientes, sem expô-los ao risco de infecção e complicações pelo novo coronavírus, tornou-se um problema a ser equacionado. Diante deste cenário, objetivando a manutenção da assistência de forma segura, sem perda de qualidade, foram incorporados recursos de tecnologia da comunicação e informação, possibilitando a realização de 509 teleconsultas, entre março e julho de 2020.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Fátima de Araújo Geraldes, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Médica especialista em Cardiologia, Terapia Intensiva e Informática em Saúde. Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Orcid: http://orcid.org/0000-0002-3626-6754

Márcia Tie Harada, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Professora do Núcleo de Telessaúde da Universidade Federal da Bahia (NUTS/UFBA).

Priscila Leão Guimarães, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Farmacêutica clínica no Complexo Hospital Universitário Professor Edgard Santos.

Suzy Santana Cavalcante, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Doutorado e Pós-Doutorado em Saúde Pública pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora da Faculdade de Medicina da Bahia (UFBA) e Chefe do Núcleo Universitário de Telessaúde do Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos/EBSERH

Referências

BENJAMIN EJ, Wolf PA, et al. Clinical Investigation and Reports Impact of Atrial Fibrillation on

the Risk of Death The Framingham Heart Study. Circulation. 1998;98(10): 946–53.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde.

Portaria nº 7, de 24 de julho de 2006. Designa representantes para compôr a Comissão

Permanente de Telessaúde. Diário Oficial da União, nº 141, Seção 2, pág. 21, de 25 de julho de 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 35 de 4 de janeiro de 2007. Institui, no âmbito do

Ministério da Saúde, o Programa Nacional de Telessaúde.

<https://atencaobasica.saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201510/01114726-

br-portaria-35-2007.pdf>. Acesso em: 12 de ago. 2020a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.546, de 27 de outubro de 2011. Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2546_27_10_2011.html Acesso: em: 12 de ago. 2020b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 467, de 20 de março de 2020. Dispõe, em caráter

excepcional e temporário, sobre as ações de Telemedicina, com o objetivo de regulamentar e operacionalizar as medidas de enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional previstas no art. 3º da Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, decorrente da epidemia de COVID-19. Diário Oficial da União, Edição 56-B, Seção 1 - Extra, pág. 1, de 23 de março de 2020c.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.989, de 15 de abril de 2020. Dispõe sobre o uso

da telemedicina durante a crise causada pelo coronavírus (SARS-CoV-2). Diário Oficial da União, pág. 1, de 16 de abril de 2020d.

CATAPAN, SC; CALVO, MCM. Teleconsulta: uma Revisão Integrativa da Interação Médico-Paciente Mediada pela Tecnologia. Rev. bras. educ. med., Brasília , v. 44, n. 1, e002, 2020.

Go AS, Hylek EM, Phillips KA, Chang Y, Henault LE, Selby J V., et al. Prevalence of Diagnosed Atrial Fibrillation in Adults. JAMA. 2001;285(18):2370-75.

HART RG, PEARCE LA, AGUILAR MI. Meta-analysis: antithrombotic therapy to prevent stroke in

patients who have nonvalvular atrial fibrillation. Ann Intern Med. 2007;146(12):857–67.

KRAHN A. D. et al.. The natural history of atrial fibrillation: Incidence, risk factors, and prognosis in the manitoba follow-up study. Am J Med.1995;98(5):476–84.

PSATY B.M. et al. Incidence of and Risk Factors for Atrial Fibrillation in Older Adults. Circulation.

;96(7):2455-61.

RUAN Q, et al. Clinical predictors of mortality due to COVID-19 based on an analysis of data of

patients from Wuhan, China. Intensive Care Medicine, 2020 Jun;46(6):1294-1297.

SOOD SP, et al. Differences in public and private sector adoption of telemedicine: Indian case

study for sectoral doption. Studies in Health Technology and Informatics, 2007, 130:257–268.

STEWART S. et al. A population-based study of the long-term risksassociated with atrial

fibrillation: 20-year follow-up of the Renfrew/Paisley study. Am J Med. 2002;113(5):359–64.

STREHLE, E. M., SHABDE, N. One hundred years of telemedicine: does this new technology have a place in paediatrics? Archives of Disease in Childhood, 2006, 91(12): 956–959.

VIDAILLET, H. et al. A population-based study of mortality among patients with atrial fibrillation

or flutter. Am J Med [Internet]. 2002;113(5):365–70.

WHO. A health telematics policy in support of WHO’s Health-For-All strategy for global health development: report of the WHO group consultation on health telematics, 11–16 December, Geneva, 1997. Geneva, World Health Organization, 1998.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

GERALDES, M. de F. de A.; HARADA, M. T.; GUIMARÃES, P. L.; CAVALCANTE, S. S. Telessaúde como estratégia para informar e cuidar:: relato de uma experiência no hospital universitário professor Edgard Santos, UFBA. Revista Fontes Documentais, [S. l.], v. 3, n. Ed. Especial, p. 776–783, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RFD/article/view/57695. Acesso em: 19 abr. 2024.