AFETOS ROUBADOS NO TEMPO Uma reflexão matérica e conceitual sobre alguns objetos artísticos criados por artistas latinos, inseridos em um projeto processual e itinerante.

Autores

  • Maria Virginia Gordilho Martins Universidade Federal da Bahia (Escola de Belas Artes)

DOI:

https://doi.org/10.9771/2175-084Xrcv.v0i10.3473

Palavras-chave:

Identidade, alteridade, diálogo, processo, arte coletiva

Resumo

Este artigo recorta e contextualiza algumas obras em pequenos formatos, de artistas argentinos, colombianos, bolivianos, guatemaltecos, venezuelanos, cubanos, americanos, africanos e brasileiros, que integram o projeto processual e itinerante Afetos roubados no tempo. O projeto, na sua íntegra, é composto por 730 peças criadas por artistas e artesões de várias partes do mundo. As referidas peças são denominadas “objetos-afeto” e, nas exposições, são dispostas em 365 pares, refletindo diálogos visuais formados por analogias ou antagonismos conceituais ou matéricos, ecoando, na sua aproximação, matrizes genuínas da identidade de cada território de origem do artista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Virginia Gordilho Martins, Universidade Federal da Bahia (Escola de Belas Artes)

Conhecida como artista visual com o nome de VigaGordilho (Currículo Lattes), Maria Virginia Gordilho Martins possui Graduação em Licenciatura em Desenho e Plástica pela EBA - Escola de Belas Artes da UFBA - Universidade Federal da Bahia , (1972-1975 ) ; Mestrado em Artes pela EBA / UFBA, (1993-1995) e Doutorado em Artes pela ECA - Escola de Comunicações em Artes da USP - Universidade de São Paulo , (2000-2003). É Professora Adjunto III do Departamento I - História da Arte e Pintura EBA / UFBA, pesquisadora e orientadora do PPGAV - Programa de Pós Graduação em Artes Visuais da EBA / UFBA. Foi vice-coordenadora do PPGAV no biênio 2005/06, atuando como coordenadora em exercício de janeiro à julho de 2006 , quando foi eleita coordenadora, permanecendo no cargo até 14/03/2008. Foi Membro da Câmara de Assessoramento e Avaliação Técnico-Científica da FAPESB de 29 de março de 2004 à 13 de dezembro de 2006 e consultora Ad-hoc. É parecerista do PIBIC - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica, desde 2006 e Membro do Conselho Diretor do Instituto de Residência Artística SACATAR, apoiado pela UNESCO desde 2005. É Membro também da ANPAP - Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, desde 1996 onde integrou a representação no Comitê de Linguagens Visuais, foi representante no Estado da Bahia até 29 de setembro de 2007 e fez parte da Diretoria com sede na UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina, como segunda secretária no biênio 2007/08, sendo eleita PRESIDENTE por aclamação, em 23 de agosto de 2008, para o biênio 2009/10. Recebeu bolsa da CAPES (PICD) para o seu Doutoramento (2000/2003), duas bolsas de estudos PCI - Programa de Coperação Interuniversitário, como Professora Visitante no Departammento de Escultura e Novas Tecnologias na Faculdade de Belas Artes de São Carlos da UPV - Universidad Politécnica de Valencia na Espanha (2000 e 2001). Foi selecionada para participar do Projeto Fraenkulturforum nas cidades e Esen e Hagen na Alemanha (2002) e para integrar o projeto itinerante VisibleVisions em Johannesburg na África do Sul , por ocasião do Rio + 10 (2003) e em Nairobi no Kenya (2005). Foi a primeira artista baiana a receber o prêmio COPENE de Cultura e Arte, atualmente intitulado de Prêmio BRASKEN (1996 ) e o de Artista Residente do Instituro SACATAR (2004). Tem exposições em cidades do Brasil, da África, África do Sul e Europa. Atua também na área de curadoria, concebendo, conceituando e coordenando exposições, preparando monitoria e criando oficinas contextualizadas com a temática proposta, conteudo e materiais usados nas mostras, envolvendo comunidades periféricas. Possui textos publicados em anais da ANPAP, em revistas e livros nacionais e internacionais. É autora dos livros: "CANTOS CONTOS CONTAS - Uma trama às águas como lugar de passagem", aprovado pelo Conselho Científico da FAPESB - Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado da Bahia e pelo Programa de Incentivo a Cultura da Bahia FAZ CULTURA, "ONDE SE ESCONDE O CINZA LUMINOSO?" e "ONDE AS CASAS SE VESTEM DE CÉU?," ambos contos para todas as idades, aprovados pelo Conselho Científico da FAPESB e pelo Conselho Editorial da EDUFBA - Editora da Universidade Federal da Bahia . É líder do grupo de pesquisa, credenciado pelo CNPq, MAMETO - MAtéria, MEmória e conceiTO em poéticas visuais contemporãneas , no qual desenvolve investigações sobre o PROCESSO CRIATIVO, idealizando e realizando projetos artísticos coletivos como: Afetos roubados no tempo, Guard(A)res, Ruínas Fratelli Vita, Banco à Memória e Vitrine.Tem como objeto de pesquisa, símbolos oriundos do entrelaçamento cultural afro-indígena brasileiro, pontuando as águas dos oceanos e rios como universo poético de referência.

Publicado

2009-07-14

Como Citar

MARTINS, M. V. G. AFETOS ROUBADOS NO TEMPO Uma reflexão matérica e conceitual sobre alguns objetos artísticos criados por artistas latinos, inseridos em um projeto processual e itinerante. Cultura Visual, [S. l.], n. 10, p. 111–132, 2009. DOI: 10.9771/2175-084Xrcv.v0i10.3473. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/rcvisual/article/view/3473. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Selecionados / Selected Articles