<B>Performatividade e burocracia na história da arte </B><BR>[Maurício Topal de Moraes]

Autores

  • Caderno PPGAV Escola de Belas Artes UFBA

Resumo

Como é possível perceber pelo título “performatividade e burocracia”, neste artigo será desenvolvida uma análise a respeito da história da arte, seu papel performativo sobre a cultura e de suas posturas sobre a produção cultural de nosso século. A delimitação do campo de estudo desta disciplina, pouco justificada por pesquisadores e normalmente assumida de maneira arbitrária, é um dos aspectos a ser considerado, porém não o único. Tampouco parece ser seu principal problema, como será sugerido mais adiante. Em lugar da aceitação apressada da perspectiva de historiadores da arte, estabelecidos e reconhecidos institucionalmente (tomando suas definições, do que seria a produção cultural merecedora de atenção e de como estudá-las, como definitivas), para a construção de um conhecimento dinâmico e sinceramente preocupado com problemas externos às disputas internas da academia, seria mais adequado o questionamento a respeito do papel dessas perspectivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads