O REGRESSO COMO POLÍTICAS DE “PROGRESSO”: A DEVASTAÇÃO DE SOBRADINHO-BA

Autores

  • Thiago Santos Cunha

Resumo

Este trabalho tem como fonte a obra musical Sobradinho, de Sá e Guarabyra, analisando-a em face da questão agrária e do direito agrário brasileiro, tendo como objeto a relação do direito à terra e arte. Sua indagação consiste em problematizar como em que medida a arte pode servir de instrumento de denúncia a perpetuação de políticas “desenvolvimentistas” e de “progresso” que atacam diretamente direitos fundamentais e dos povos tradicionais, positivados na Constituição Federal de 1988. A metodologia consiste em análise bibliográfica, exposição de dados geográficos e quantitativos e, conjuntamente, exposição da obra artística de Sá e Guarabyra sobre a história da Região de Sobradinho e adjacentes que foram alagadas pelas águas da Barragem, impactos e perspectivas. Concluindo como políticas travestidas por promessas de progresso acentuam a questão fundiária brasileira, bem como são permeadas de violações de direitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Santos Cunha

Bacharel Interdisciplinar em Humanidades com Área de Concentração em Estudos Jurídicos (UFBA-2018);Graduando em Direito pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Contato: thiago-santos02@hotmail.com.br

Downloads

Publicado

2020-08-10

Como Citar

Santos Cunha, T. (2020). O REGRESSO COMO POLÍTICAS DE “PROGRESSO”: A DEVASTAÇÃO DE SOBRADINHO-BA. Revista Do CEPEJ, (22). Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/CEPEJ/article/view/38334

Edição

Seção

Artigos